Coração que Pulsa

by Grupo Desportivo e Cultural de Castelo de Paiva

Ana Catarina Bessa

"Coração que pulsa" continua a desvendar o que faz correr os atletas do Grupo Desportivo. Desta vez fomos falar com Ana Catarina Bessa. Ana iniciou-se agora neste mundo da corrida, felizmente, escolheu o desporto mais democrático que existe e também um desporto que existe há milhares de anos.

"Coração que pulsa", entende que com esta entrevista à jovem iniciada está a contribuir para a sua afirmação ao mesmo tempo que demonstra a todas as Anas Catarinas que o Grupo Desportivo é uma porta aberta a todos os quantos queiram (sem custo) ter uma carreira desportiva.



Data de Nascimento: 11/08/1997



O que te motivou para a prática do atletismo?

Sempre tive uma queda para o desporto, quando me convidaram não hesitei a experimentar uma coisa nova, e gostei muito, a equipa é muito boa, temos grandes corredores, e isso motiva-me porque quero vir a ser como eles, uma vencedora!

Antes de te iniciares na modalidade alguma vez tiveste curiosidade em acompanhar a vida de algum/a e/ou colectividade?

Sempre que via atletas na televisão, sim! Tinha curiosidade de saber como é a vida no desporto e inspiro-me neles.

Provavelmente sentiste já alguma alteração nas rotinas diárias: qual a sensação?

O cansaço é muito ao fim de semana, mas vale a pena todos os esforços, porque quando vamos às provas conseguimos bons resultados, é uma boa sensação, é a sensação do dever cumprido, sabemos que sofremos para chegar ali, mas também que esse sofrimento valeu e que nos trouxe um bom resultado.

Quando competiste pela primeira vez o que levavas no pensamento?

Na primeira vez que competi ia com pensamentos muito negativos: vou ficar em último, vou perder, pensei em desistir nos últimos metros, mas os incentivos da Sara e dos outros elementos da equipa foram uma grande ajuda e consegui ir ao pódio.

Que importância deste à vitória conquistada no corta-mato escolar?

Foi muito bom, especialmente quando olhei para a cara do meu professor de educação física, porque ele nunca acreditou nas minhas capacidades e digamos que foi uma boa "chapada" que lhe dei. Também fiquei feliz pois ganhei a pessoas que já me tinham ganho em anos passados.

No Grupo Desportivo, existe uma grande disparidade de idades, como te adaptas a esses novos conceitos e como lidas com as diferenças?

Lido bem com isso, a equipa é constituída por malta porreira, que nos motiva, nos apoia, nos ouve, com tudo isso até esquecemos um pouco as idades.

Ana Catarina, deves ouvir muitas vezes que para se conquistar algo... é necessário muito sacrifício, ter também a dose necessária de ambição, começas a estar preparada, ou tudo isto não passa de uma simples brincadeira?

Com todos estes treinos, eu já me sinto, digamos, mais capaz, já me esforço mais, a minha mentalidade mudou. É isto que quero para mim, embora às vezes passe a ideia que não gosto de algumas coisas. Para mim, isto não é brincadeira, é um compromisso, quero dar cada vez mais de mim, quero melhorar.

No Grupo Desportivo, como em qualquer clube há um líder, és jovem, irreverente, naturalmente terás dificuldade em seguir métodos, em suma, obedecer. Como te tens relacionado com o teu treinador?

Gosto muito dele, é o pai Nel ah ah! Às vezes é duro, mandão, mas sinto que é justo. Vou fazer por não o desiludir.

Sem comentários: